Ao contrário do que pensei, Nick Hodges não participou da abertura. Ele chegou apenas na hora do almoço, esperto, não? :)

O tema deste ano da BorCon é “Made in Brazil”, e a abertura contou com um show de capoeira, algo realmente bem brasileiro. Logo após entrou David I, dando boas-vindas a todos, agradecendo que não precisava dançar capoeira ali no palco e abrindo oficialmente o evento.

Me pareceu que sua apresentação foi a mesma do EuroDevCon, que acabou de acontecer na Europa e os slides já tinham sidos divulgados na Internet. Nenhuma novidade apresentada. Ele explicou novamente a divisão das empresas, mas disse que não sabem ainda o novo nome. Falou rapidamente do Delphi, JBuilder e Interbase, juntamente com seus roadmaps. Novamente deixou claro que a chance é muito grande de terem novos produtos para outras linguagens mais dinâmicas, como PHP ou Ruby.

Depois, entre caminhadas pelo evento assisti a palestra de ASP.NET e Ajax, outra sobre a implementação de nota fiscal eletrônica e um do Bruno Lichot sobre aplicativos 3 camadas. Também tive a oportunidade de ver a palestra do Daniel Wildt sobre testes, onde ele mostrou e valorizou muito uma métrica chamada complexidade ciclomática, da qual eu já tinha falado também na minha última palestra no DDD.

No encerramento do dia, tivemos um show de samba, com direito a bateria de escola de samba e mulatas. Eles tentaram agitar a galera, mas acho que se esqueceram que “nerds” não tem tanto gingado. :)

O dia de amanhã será aberto pelo Nick Hodges falando sobre o futuro do Delphi. Na minha opinião, será o ponto alto do evento. Se ele abrir para perguntas da platéia, com certeza teremos algumas discussões interessantes. Sempre gostei muito do Nick pelo tipo de postura que ele tem desde antes de entrar pra Borland, e tenho certeza que vai ser muito interessante.

Estou enviando as fotos para o Flickr, veja aqui.