O dia 3 da BorCon foi aberto por uma palestra sobre “redução do ciclo de desenvolvimento”, por Adail Muniz e Renato Quedas da Borland. Eles fizeram um tipo de teatro, onde um era o dono de uma empresa de software sem metodologia formal e o outro era o consultor. O que achei interessante da palestra foi que eles focaram mais uma vez na metodologia FDD, que é o assunto que mais me interessou nesta BorCon. Mas nada demais também, abordaram superficialmente. Talvez um exemplo prático faria com que todos entendessem melhor.

Depois vi metade da apresentação do Sanyo Moura da TDS, sobre aplicações distribuidas em .NET. Como a minha palestra era na sequência mas em outro sala, não pude ficar até o final para ver .NET Remoting, que era o que mais me interessava na palestra dele.

Minha palestra foi razoável, acredito que alguns entenderam a idéia. Acho que ela poderia ter sido melhor, vou procurar melhorar para as próximas, mas para quem gosta de ver código, acho que não passou vontade na minha palestra.

Após o coffee break, que é um ticket lanche que a Borland deu para cada dia valendo um refrigerante, um salgado, um lanchinho natural e um doce, nenhuma palestra me interessou e preferi dar uma volta pela Comdex.

Para encerrar o dia, assisti a palestra do Adail Muniz sobre novidades na UML 2.0. Foi razoavelmente interessante, mas como pouco uso UML ainda, o assunto ficou um pouco distante, mas de qualquer forma, me despertou nova vontade em usar melhor esse padrão de modelagem.

Assim foi o terceiro dia de BorCon. O dia de hoje é menor, teremos menos palestras. A primeira está agendada como “O Futuro do Delphi com David I”. Como sabemos que o David I não está presente no evento, estou curioso para saber quem será o palestrante. Meu palpite é que seja o Tertius ou o Daniel Politschuck. Quero ver também se mostrarão do Delphi 9, pois até agora nada.

Depois postarei fotos do evento aqui, é que estou usando conexão discada e não sou sadomasoquista.. hehe.