Há pouco mais de um ano comprei um home theather “tudo em um” da Philips. Lê e toca todos os tipos de DVD e CD, tem rádio AM-FM, áudio 5.1, etc, etc. Paguei pouco mais de R$1500. Dias atrás ele começou a não ler discos, percebi que tinha acabado a garantia e já me preparei para desembolsar uma grana. Levei na assistência autorizada Philips e depois de 7 dias e muito mal atendimento, veio o orçamento: R$830!!! Isso mesmo, oitocentos e trinta reais. Só pude rir ao telefone e dizer que ia passar lá pegar o aparelho do jeito que estava mesmo.

Como fiquei alguns dias sem DVD na sala, acabei assistindo alguns filmes no meu computador desktop de casa. Sai da TV de 29″ e caí no meu monitor de 17″, mas tudo bem. Felizmente tenho ótimas caixas de som (Cambridge Soundworks) e não ficou muito a desejar comparado ao home theater da sala. Neste computador tenho duas unidades de DVD, uma somente leitura, e uma gravadora. Usei o software Power DVD, arrastamos um sofá para perto do monitor, e show!

Isso tudo me despertou interesse no Windows Media Center, percebi que meu próximo sistema de áudio/video da sala será um PC rodando Windows. Pesquisando um pouco fiquei impressionado de como isso já está evoluído lá nos EUA. Os micros com Media Center vem com hardware personalizado para suportar controle remoto, sintonizar TV aberta e a cabo, rádio FM, etc. E realmente isso faz muito sentido. Hoje tenho vários gigas de músicas e vídeos no computador que não fica na sala, seria muito mais cômodo ficar deitado no sofá controlando o iTunes por controle remoto ou assistindo um video que baixei na internet.

Enfim, fiquei muito animado e ansioso com as possibilidades. Infelizmente no Brasil ainda está muito devegar a disponibilidade de máquinas com Windows Media Center. Lá fora, os maiores fabricantes lá já tem máquinas personalizadas, conforme pode-se ver no site da MS. Aqui que eu conheça existe apenas uma máquina, da Semp Toshiba, que custa nada menos que R$9000. O grande erro da Toshiba foi construir uma máquina integrada em um monitor LCD de 17″ WideScreen. Isso encarece muito o equipamento, e a maioria das pessoas não estará satisfeita com um monitorzinho de 17″ como TV principal. O que me consola é que logo devem surgir mais, e isso deve cair muito de preço ainda.

Sobre o meu DVD, acabei mandando em uma assistência “não autorizada”, que ficou menos da metade do preço, mas já seu sucessor já tem nome “Windows Media Center”.